COMPARTILHE:
  • 7
  •  
  •  
  •  
    7
    Shares

 

Hoje (13/12) celebramos São João da Cruz,
carmelita e doutor da Igreja

Ingressou na Ordem do Carmo aos 21 anos, em 1563, quando recebe o nome de Frei João de São Matias, em Medina del Campo. Entre 1564 e 1568 faz sua profissão religiosa e estuda em Salamanca. Tendo concluído com êxito seus estudos teológicos, em 1567 ordena-se sacerdote e celebra sua Primeira Missa.

Obteve a permissão de observar os regulamentos com toda a exatidão possível sem procurar exceções em nada. Ao ser ordenado sacerdote pediu a Deus como especial presente que o conservasse sempre em graça e sem pecado e que pudesse sofrer com todo valor e com muita paciência toda classe de dores, penas e enfermidades.

Durante toda a sua vida, João da Cruz pediu a Deus três coisas: que não deixasse passar um só dia de sua vida sem enviar-lhe sofrimentos, que não o deixasse morrer ocupando o cargo de superior e que lhe permitisse morrer humilhado e desprezado.

Deus lhe concedeu uma qualidade especial: a de saber ensinar o método para chegar à santidade. E aquilo que ensinava de palavra às pessoas que dirigia, foi escrevendo e resultaram em livros tão importantes de mística e espiritualidade que a Igreja o declarou Doutor da Igreja. Alguns de seus livros mais famosos são “A ascensão do Monte Carmelo”, e “A noite escura da alma”.

Como poeta foi admirado por séculos por causa da musicalidade de suas poesias e da beleza de seus versos. É muito popular seu “Cântico Espiritual”.

Depois de três meses de sofrimentos muito agudos, o santo morreu em 14 de dezembro do ano 1591, aos 49 anos. Faleceu no Convento de Ubeda.

A primeira edição de suas obras deu-se em Alcalá, em 1618. Em 1952 foi proclamado “Patrono dos Poetas Espanhóis”.

Doutor da Igreja

São João da Cruz foi beatificado por Clemente X no dia 25 de janeiro de 1675. Foi canonizado em dezembro de 1726 por Bento XIII e declarado Doutor da Igreja em 1926 por Pio XI.

Doutor do “Tudo e Nada”, São João da Cruz é plenamente fiel à antiga tradição. Ele ensina que Deus é a plenitude do ser: Ele Se basta a Si mesmo e de nada precisa que esteja fora de Si para ser o que é. Por isso, podemos dizer com maior propriedade que Ele é o próprio Ser subsistente (ipsum esse subsistens), cuja essência consiste em ser por Si mesmo, ao passo que as criaturas só existem porque Deus, comunicando-lhes tudo o que têm, são e podem ser, constantemente por Ele sustentadas e não podem ter em si mesmas a razão de sua existência.

É sobre essa premissa metafísica que São João da Cruz irá construir toda a sua síntese espiritual. O conjunto da obra joanina, porém, se apresenta não tanto como esforço especulativo por compreender os mistérios divinos quanto como guia prático para se chegar à união com Deus, corolário que acaba por decorrer, como exigência vital, dos pressupostos filosóficos subjacentes à sua doutrina.

Com efeito, sendo Deus tudo e as criaturas, por assim dizer, um nada, a percepção de que dependemos inteiramente de nosso Pai celeste, do Qual recebemos tudo quanto somos, dará à mística do nosso Santo as feições que a caracterizam e a tornam reconhecível: o auto-esvaziamento, o desprendimento total e, por fim, a conformidade da vontade humana à divina.

A perfeição no Amor

Em seus escritos o santo carmelita também destaca que o objetivo do homem na terra é alcançar “Perfeição da Caridade e elevar-se à dignidade de filho de Deus pelo amor”; a contemplação não é um fim em si mesma, mas deve conduzir ao amor e à união com Deus pelo amor e, por último, deve levar à experiência dessa união à qual tudo se ordena”.

Para ele, o amor leva às alturas da contemplação, mas como o amor é produto da fé, que é a única ponte que pode salvar o abismo que separa a nossa inteligência do infinito de Deus, a fé ardente e vívida é o princípio da experiência mística.

“Não há trabalho melhor nem mais necessário que o amor”, disse o Santo. “Fomos feitos para o amor”. “O único instrumento do qual Deus se serve é o amor”. “Assim como o Pai e o Filho estão unidos pelo amor, assim o amor é o laço da união da alma com Deus”.

Seguem algumas de suas frases famosas

“Não se contentar com o que diz o confessor é orgulho e falta de fé.”

“A mosca que pousa no mel não pode voar; a alma que fica presa ao sabor do prazer sente-se impedida em sua liberdade e contemplação.”

“O mais leve movimento de uma alma animada de puro amor é mais proveitoso à Igreja do que todas as demais obras reunidas.”

“Por causa de prazeres passageiros, sofrem-se grandes tormentos eternos.”

“Meus são os Céus e minha é a Terra, meus são os homens, e os justos são meus; e meus os pecadores. Os Anjos são meus, e a Mãe de Deus, todas as coisas são minhas. O próprio Deus é meu e para mim, pois Cristo é meu e tudo para mim.” (Sobre a Eucaristia)

Ser a presença de Cristo

“Não faça coisa nenhuma nem diga palavra que Cristo não faria ou não diria se encontrasse as mesmas circunstâncias.”

“Renuncie aos desejos e encontrará o que seu coração deseja.”

“Que felicidade o homem poder libertar-se de sua sensualidade! Isso não pode ser bem compreendido, a meu ver, senão por quem o experimentou. Só então se verá claramente como era miserável a escravidão em que estava.”

“Quem se queixa ou murmura não é cristão perfeito, nem mesmo um bom cristão.”

“Senhor, quero padecer e ser desprezado por amor de Vós.”

“A pessoa que está presa por afeto a alguma coisa, mesmo pequena, não alcançará a união com Deus, mesmo que tenha muitas virtudes. Pouco importa se o passarinho está com um fio grosso ou fino, ele ficará sempre preso e não poderá voar.”

“Para possuir Deus plenamente é preciso nada ter, porque, se o coração pertence a Ele, não pode se voltar para outro.”

“O demônio teme a alma unida a Deus como ao próprio Deus.”

“O afeto e o apego da alma à criatura torna-a semelhante a essa mesma criatura. Quanto maior a afeição, maior a identidade e semelhança, porque é próprio do amor tornar aquele que ama semelhante ao amado.”

“Dar tudo pelo tudo”

“A pessoa que caminha para Deus e não afasta de si as preocupações, nem domina suas paixões, caminha como quem empurra um carro encosta a cima.”

“A constância de ânimo, com paz e tranquilidade, não só enriquece a pessoa como a ajuda muito a julgar melhor as adversidades, dando-lhes a solução conveniente.”

“O amor não consiste em sentir grandes coisas, mas em se despojar e sofrer pelo amado.”

“O progresso da pessoa é maior quando ela caminha às escuras e sem saber.”

“Deus quer mais de ti um mínimo de obediência e docilidade, do que todas as ações que realizas por ele.”

“Mesmo carregado de grandes e molestas tentações, o homem pode ir a Deus, desde que sua razão e vontade não consintam nelas.”

“Queira torna-te, no padecer, algo semelhante a este nosso grande Deus, humilhado e crucificado, pois que esta vida só tem razão de ser se for para imitá-lo.”

“Quando a alma se acha livre e purificada de tudo, em união com Deus, nenhuma coisa poderá aborrecê-la. Daqui se origina para ela, neste estado, o gozo de uma contínua vida e tranquilidade, que ela nunca perde nem jamais lhe falta.”

“Tal é a alma que está enamorada de Deus. Não pretende vantagem ou prêmio nenhum, a não ser perder tudo e a si mesma, voluntariamente, por Deus, e nisso encontra todo seu lucro.”

“Não fujas dos sofrimentos, porque neles está a tua saúde.”

Fonte: Canção Nova Notícias, Comunidade Shalom e site do Padre Paulo Ricardo.