COMPARTILHE:
  •  
  •  
  •  
  •  

Em Tiago 1,22-24 encontramos: “Todavia, sede praticantes da Palavra, e não meros ouvintes, enganando-vos a vós mesmos. Com efeito, aquele que ouve a Palavra e não a põe em prática é semelhante a alguém que observa o seu rosto no espelho: apenas se observou, sai e logo esquece como era a sua aparência.”

Jesus disse essas palavras mais de uma vez. Por oito vezes somos lembrados nos Evangelhos e no livro do Apocalipse (Mt 11.15, 13.9, 13.43; Mc 4.9, 4.23, 8.18; Lc 8.8, 14.35; Ap 2.7, 2.11, 2.17, 2.29, 3.6, 3.13, 3.22, 13.9)  que não basta apenas ter ouvidos, é necessário usá-los.

Em uma de suas parábolas (Mc 4.1-20) Jesus comparou nossos ouvidos ao solo. Ele contou sobre um fazendeiro que espalhava sementes (simbolizando a Palavra) em quatro diferentes tipos de terreno (simbolizando nossos ouvidos). Alguns de nós possuem ouvidos que são como uma estrada de ferro mas não são receptivos à semente. Outros possuem ouvidos como um solo rochoso, ouvem a Palavra mas não permitem que ela crie raízes. Existem ainda outros que possuem ouvidos semelhantes a uma vereda silvestre, presença de uma forte vegetação e espinhos, e de uma intensa competição em torno da semente. E existem ainda aqueles que possuem ouvidos para ouvir: bem lavrados, com bom discernimento, e prontos a ouvir a voz de Deus.

Atenção: observe que a semente é a mesma nos quatro casos. O lavrador também é o mesmo.  O que é diferente não é a mensagem nem o mensageiro, é o ouvinte. E se neste exemplo a proporção for significativa, três quartos do mundo não estão ouvindo a voz de Deus. Seja a causa disso corações duros, vidas frívolas ou mentes inquietas, setenta e cinco por cento da humanidade está perdendo a mensagem.

Não é porque não tenhamos ouvidos; é porque não os utilizamos. As Escrituras sempre destacaram que existe um prêmio para aqueles que ouvem a voz de Deus. Na verdade, o grande mandamento de Deus dado através de Moisés, começou com as palavras “Ouve, Israel, o  Senhor nosso Deus é o único Senhor. Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma e com todas as tuas forças. E trarás gravadas no teu coração todas estas palavras que hoje te ordeno.” (Dt 6,4-6). Neemias e seus homens foram elogiados porque estavam “atentos ao livro da lei” (Ne 8,3). “Bem-aventurado o homem que me dá ouvidos” é a promessa registrada em Provérbios 8,34. Jesus nos incentiva a urgentemente aprendermos ouvir como as ovelhas: “As ovelhas ouvem a sua voz… e as ovelhas o seguem, porque conhecem a voz do pastor. Mas, de modo nenhum, seguirão o estranho; antes, fugirão dele, porque não conhecem a voz dos estranhos” (Jo 10,3-5). A cada uma das sete igrejas descritas no livro de Apocalipse, este assunto foi direcionado da mesma maneira: “Aquele que tem ouvidos, ouça o que o  Espírito diz às igrejas”. (Ap 2.7, 2.11, 2.29, 3.6, 3.13, 3.22)

Nossos ouvidos, de maneira diferente de nossos olhos, não possuem pálpebras. Eles foram feitos para permanecerem abertos, mas observe o quão facilmente eles se fecham.

Meu sobrinho e eu estávamos, há algum tempo, fazendo algumas compras para uma viagem.  Encontramos o que queríamos em determinada loja, e dissemos ao vendedor que antes de comprar visitaríamos outras lojas para comparar preços. Ele perguntou-me se eu gostaria de levar seu cartão. “Não; é fácil lembrar seu nome, Paulo”, argumentei. Ele respondeu: “Meu nome é Carlos”.

Eu tinha escutado o homem falar, mas não tinha ouvido.

Pilatos também não ouviu. Ele possuía o clássico caso de ouvidos que não ouvem. Não apenas sua esposa o preveniu – “Não entres na questão desse justo, porque num sonho muito sofri por causa dele” (Mt 27.19) – , mas a própria Palavra da Vida estava diante de Pilatos, em seu tribunal, e proclamou: “Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz” (Jo 18.37). Porém Pilatos ouvia seletivamente. Ele permitiu que a voz da multidão dominasse as vozes da consciência e do carpinteiro. “Mas eles instavam com grandes gritos, pedindo que fosse crucificado. E os seus gritos e os dos principais sacerdotes redobravam” (Lc 23.23). Ao final, Pilatos inclinou os seus ouvidos à voz da multidão, e não para o Cristo, ignorando assim a mensagem do Messias. “A fé é pelo ouvir” (Rm 10.17), e como Pilatos não ouvia, nunca encontrou a fé.

“Aquele que tem ouvidos para ouvir, ouça”. Há quanto tempo você checou a sua capacidade de ouvir? Quando Deus lança a semente em seu caminho, qual tem sido o resultado?

Ouça o bom Deus e vida nova sempre há de ter. E o caminho é o conhecimento de sua Palavra.

Tenha minha bênção e sincero afeto!!!

Frei Rothmans Campos, O.Carm.