12 de junho: Dia Mundial contra o Trabalho Infantil e como a Rede de Assistência Carmelitana atua para combater essa realidade

Por ocasião do Dia Mundial contra o Trabalho Infantil,  a UNICEF recorda que cerca de 160 milhões de menores estão empregados em todo o mundo. Aumento também na Itália. O Papa em um tweet no @Pontifex: “Não poupemos esforços para acabar com o flagelo do trabalho infantil! As crianças são esperança: não permitamos que seja cancelada!”

“Muitas crianças, em vez de receberem uma educação digna, são exploradas e submetidas ao trabalho escravo. Não poupemos esforços para acabar com o flagelo do trabalho infantil! As crianças são a esperança: não permitamos que seja cancelada!” É incisivo o apelo à comunidade intencional que o Papa Francisco lança com um tweet de sua conta @Pontifex no dia em que se celebra o Dia Internacional contra a Exploração Infantil. Um fenômeno de dimensões preocupantes, como também denunciado pelo Unicef, que declara a presença global de 100 milhões de jovens que caíram na pobreza desde o início da pandemia. Além disso, o crescimento das taxas de pobreza infantil causou um aumento no risco de trabalho infantil. “Pela primeira vez desde o ano 2000, o número de crianças afetadas aumentou para cerca de 1 em cada 10 crianças em todo o mundo”, afirma o Unicef. Cerca de metade dessas crianças é extremamente jovem e “está envolvida em trabalhos perigosos que podem causar danos físicos e emocionais”.

As consequências para a saúde dos jovens

O fenômeno do emprego de jovens expõe as crianças a inúmeros riscos, incluindo acidentes. Entre 2017 e 2021″, relata novamente o Unicef, “houve aproximadamente 300.000 relatórios nacionais de acidentes, em comparação com 2022, quando houve cerca de 51.000. Houve 7 acidentes fatais envolvendo menores de 14 anos e 67 acidentes envolvendo jovens entre 15 e 19 anos. Além dos danos físicos, a exploração infantil também tem um forte impacto no bem-estar psicológico dos envolvidos. Domenico Della Porta, coordenador do Observatório da Unicef para a Prevenção de Danos à Saúde causados pelo Trabalho Infantil, ressalta que entre as possíveis razões para a maior influência entre os jovens de lesões ocupacionais e problemas de saúde identificados, de acordo com a Eu-Osha, estão a falta de experiência e a imaturidade do ponto de vista físico e psicológico. A falta de conscientização sobre a própria saúde e segurança desempenha um papel importante, que é agravado pela negligência dos empregadores, que não fornecem treinamento adequado, supervisão e as salvaguardas necessárias para tornar as condições de trabalho mais apropriadas para os jovens”.

Abordagem das vulnerabilidades

O Unicef, já durante a pandemia, implementou e ampliou programas de ajuda a crianças carentes e suas famílias. “Sabemos que a melhor maneira de prevenir o trabalho infantil é investir em programas de proteção social que possam ajudar as famílias a superar crises”, disse Catherine Russell, diretora-geral da organização, por ocasião da celebração do Dia. “Como muitas famílias se encontram em situações de dificuldades econômicas e instabilidade, para a maioria delas, obrigar uma criança a trabalhar é uma última escolha – uma escolha que só é feita quando não há outras opções de sobrevivência. Consequentemente, os programas de proteção social – ainda muito pouco acessíveis – devem agir justamente sobre essa vulnerabilidade. “Nunca devemos aceitar o trabalho infantil como algo inevitável. Temos o poder de mudar isso e a melhor maneira de marcar o Dia Mundial contra o Trabalho Infantil é usar esse poder”, concluiu o Diretor Russell.

Palavras do Papa Francisco: “muitas mãozinhas

Em maio de 2022, o Papa Francisco, em uma mensagem dirigida à conferência de Durban da Organização Internacional do Trabalho, enfatizou que ainda há “muitas mãozinhas” forçadas a fazer o que nenhuma criança deveria fazer, sendo privadas da “alegria de sua juventude e da dignidade que Deus lhes deu”. Essa é uma prática que deve ser interrompida porque “é uma negação do direito das crianças à saúde, à educação, ao crescimento harmonioso”, que “também inclui a possibilidade de brincar e sonhar. Isso é trágico. Uma criança que não pode sonhar, que não pode brincar, não pode crescer”.

REDE DE ASSISTÊNCIA CARMELITANA 

Rede de Assistência Carmelitana atua diretamente para mudar essa realidade. Hoje, temos temos + 10. Obras Sociais em todo o Brasil e atendemos mais de 10.000 crianças e jovens.

A Província Carmelitana Fluminense cumpre o seu papel na transformação social mantendo uma série de obras nos estados em que atua. Através da Rede de Assistência Carmelitana, reunimos os diversos projetos sociais que fazem parte da Província. Essas obras vão desde projetos ligados à garantia de direitos da criança e do adolescente até o apoio a suas famílias e agora também realizamos um trabalho junto aos irmãos que são dependentes químicos através da Casa de Acolhida. A ação caritativa está no cerne da vocação carmelita, sem ela a Ordem não cumpriria eficazmente a missão evangelizadora, além de ter desfigurada a sua própria identidade.

A Rede de Assistência Carmelita conta com a sua doação para continuar transformando vidas.

Província Carmelitana de Santo Elias (RAZÃO SOCIAL)

Bradesco

Ag: 3176-3

C/C: 002241-1

CNPJ: 33 621.319/0001-93

Pix: carmelitas@pcse.org.br