A Leitura da Bíblia na Regra do Carmo

Neste mês de setembro, a Igreja no Brasil o “Mês da Bíblia”. Setembro foi escolhido pela CNBB em razão da festa de São Jerônimo, celebrada no dia 30.

São Jerônimo, que viveu entre 340 e 420, foi o secretário do Papa Dâmaso e por ele encarregado de revisar a tradução latina da Sagrada Escritura. Essa versão latina feita por esse santo recebeu o nome de Vulgata, que, em latim, significa “popular” e o seu trabalho é referência nas traduções da Bíblia até os nossos dias.

Somos convidados neste mês a conhecer mais a fundo a Palavra de Deus, a amá-la cada vez mais e a fazer dela, a cada dia, uma leitura meditada e rezada.

A Bíblia contém tudo aquilo que Deus quis nos comunicar em relação à nossa salvação. Jesus é o centro e o coração da Sagrada Escritura. Em Jesus se cumprem todas as promessas feitas no Antigo Testamento para o povo de Deus.

A Regra do Carmo repete nove vezes que devemos meditar a Palavra de Deus. Nestas recomendações transparece o jeito próprio de se fazer a Leitura da Bíblia no Carmelo. A Regra, ela mesma, é fruto da meditação constante da Palavra de Deus:

* A Regra recomenda nove vezes a Leitura da Bíblia

1. Rc 7         Ouvir a Sagrada Escritura durante as refeições

2. Rc 10       Meditar dia e noite a Lei do Senhor

3. Rc 11       Rezar as horas canônicas (que são feitas de Salmos e leituras bíblicas)

4. Rc 14       Participar diariamente da Eucaristia (toda feita de textos bíblicos)

5. Rc 19       Ter pensamentos santos (que são fruto da Leitura do Livro Santo)

6. Rc 19       A Palavra, a espada do Espírito, deve habitar na boca e no coração

7. Rc 19       Agir sempre de acordo com a Palavra de Deus

8. Rc 20       Ler com frequência as cartas de Paulo

9. Rc 22       Ter diante de si o exemplo de Jesus como aparece nos evangelhos

* O jeito próprio de se fazer a leitura da Bíblia no Carmelo

* Pela leitura pessoal: meditação na cela (Rc 10); a Palavra na boca e no coração (Rc 19), ter pensamentos santos (Rc 19); agir em tudo conforme a Palavra de Deus (Rc 19).

* Pela leitura comunitária: ouvir juntos a Palavra no refeitório (Rc 7); na capela, durante a Eucaristia (Rc 14); no Ofício Divino (Rc 11).

A Regra, ela mesma, é fonte e fruto da Leitura Orante da Bíblia

A Regra do Carmo não só recomenda a Leitura da Bíblia, mas também a pratica. Ela exprime o seu próprio pensamento com frases tiradas da Bíblia. Usa a Bíblia para descrever a Norma de Vida dos primeiros Carmelitas. Alguns acham que é mais de cem vezes! Ela usa a Bíblia sem citar, cita sem verificar, junta e separa as frases da Bíblia como se fosse a sua própria palavra. Esta maneira de usar a Bíblia é fruto de longa e assídua leitura, marcada pela familiaridade, pela liberdade e pela fidelidade. Os primeiros carmelitas conheciam a Bíblia de memória e a assimilaram em suas vidas a ponto de não distinguirem mais entre as suas próprias palavras e as da Bíblia.