Maria, Irmã do Carmo, Este Nome está esquecido?

Este artigo começou com uma pergunta leve no refeitório aos confrades. Existe alguma Igreja ou paróquia com o nome de padroeira “Maria, irmã do Carmo” ou “Nossa Irmã do Carmo”? Enquanto pensavam e se lembravam, finalmente todos responderam “não tem”. Obviamente, a outra questão que surge é por que não nomeamos “Maria, Irmã do Carmo” como a padroeira de nossa Igreja e comunidade? Isso é possível? Por fim, escrevo esta breve reflexão no contexto da celebração de Maria do Monte Carmelo.

Maria na Tradição Carmelitana

Nossa Senhora do Carmo é um nome muito popular para nós, Carmelitas. Por causa disso, muitas de nossas Igrejas são servidas por Carmelitas, bem como os nossos conventos, têm o nome da padroeira Nossa Senhora do Carmo. O papel de Maria como Mãe e Senhora não pode ser separado da reflexão da Igreja universal sobre os acontecimentos do Gólgota. Quando Jesus viu a sua Mãe e o discípulo que ele amava ao seu lado, disse à Mãe: “Mãe, este é o teu Filho” e depois disse ao seu discípulo: “Esta é a tua Mãe!” E desde então o discípulo [João] a recebeu [Nossa Senhora] em sua casa ”. (João 19, 26-27). A Igreja Católica sempre entendeu estas palavras como a vontade de Jesus que confiou a sua Mãe a todos nós, seus discípulos, representados pelo apóstolo João. Desde então, os Padres da Igreja apresentam a figura de Maria como a Mãe da Igreja.

Além disso, o título Nossa Senhora do Carmo é inseparável do aparecimento inicial dos ascetas no Monte Carmelo. Eram peregrinos vindos da Europa, reunidos perto da “fonte de Elias ” no Monte Carmelo. Lá eles queriam imitar o profeta Elias que viveu na presença de Deus e O serviu. Para obter status legal, os eremitas pediram ao Patriarca de Jerusalém, Alberto Avogadro (1150-1214) um estilo de vida. Entre os anos de 1206-1214, ele então escreveu um estilo de vida para os eremitas, que mais tarde foi promulgado como a Regra do Carmo por Inocêncio IV em 1247.

Para os primeiros eremitas do Monte Carmelo, a pessoa de Maria era uma figura muito importante. Por que Maria se tornou uma figura pessoal tão importante? De acordo com Felipe Ribot, um dos primeiros intérpretes dos Carmelitas, quando Elias subiu à montanha para ver o mar, ele viu aparecer uma pequena nuvem do tamanho de uma palma da mão, a pequena nuvem era o símbolo da própria Virgem Maria que a deu vida e frescor. (1 Reis 18,44). Até agora, a crença nesta interpretação é mantida com bastante firmeza, embora sempre haja um debate que a acompanha.

O amor e respeito dos primeiros eremitas pela Virgem Maria foram manifestados pela construção de uma Capela no meio de seu eremitério. Em seguida, a Capela é dedicada sob a proteção de Nossa Senhora, a Mãe de Jesus. Foi uma expressão de seu amor e respeito por Maria como a Mãe e Protetora dos eremitas no Monte Carmelo. Eles também estão empenhados em viver “nas pegadas de Jesus Cristo” com os mesmos sentimentos profundos e íntimos de Maria.

Por volta de 1235, os Carmelitas foram forçados a deixar o Monte Carmelo devido aos ataques e perseguições dos sarracenos que recuperaram a Terra Santa dos cruzados. A maioria deles voltaram para seus países de origem na Europa. Por causa desse incidente, a Ordem do Carmo floresceu na Europa. Isso também tornou a devoção a Senhora do Carmo mais conhecida. A devoção a Nossa Senhora do Carmo é cada vez mais reconhecida agora não somente pelos Carmelitas, mas também pelas pessoas. Mesmo porque se acredita que Nossa Senhora do Carmo apareceu a São Simão Stock (1165-1265) e deu a ele o escapulário como sinal de proteção, a festa litúrgica de Nossa Senhora do Carmo é amplamente celebrada todo dia 16 de julho. Na verdade, a celebração estende-se à devoção ao Escapulário de Nossa Senhora do Carmo, também conhecido como Escapulário Marrom ou bentinho do Carmo.

Maria como uma Irmã do Carmo

Embora o papel de Maria como Mãe seja tão importante no Carmelo, o nome oficial dos Carmelitas não é a Ordem de Maria Senhora do Carmo, mas “Ordem dos Irmãos da Bem-aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo”. O nome enfatiza o aspecto de Maria, irmã dos Carmelitas. No início de 1252, o nome da Ordem “Irmãos da Bem-aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo” aparece em uma carta enviada à Ordem pelo Papa Inocêncio IV.

No entanto, com o passar do tempo parece que o aspecto de Maria irmã do Carmo fica menos evidenciado ou até um pouco esquecido. Poucos escritores carmelitas popularizaram o nome. Até hoje, pelo que eu sei, ainda não existe uma Igreja com o nome da padroeira de Maria Irmã do Carmo.

É inegável que o desenvolvimento da ideia de Maria como a Theotokos na Igreja resultou na ideia de Maria como ‘irmã’ ser um pouco negligenciada. No entanto, o Papa Paulo VI em sua carta afirmando Maria como Mãe da Igreja, em 21 de novembro de 1964, apresentou seu papel de irmã. Em seu discurso na terceira sessão do Concílio Vaticano II, o Papa Paulo VI escreveu: “Embora na riqueza das admiráveis prerrogativas com que Deus a adornou para a fazer digna Mãe do Verbo Encarnado, está Ela, todavia, pertíssimo de nós. Filha de Adão como nós, e por isso nossa Irmã por laços de natureza, ela é, todavia a criatura preservada do pecado original em vista dos méritos do Salvador, e que aos privilégios obtidos junto a virtude pessoal de uma fé total e exemplar, merecendo o elogio evangélico de «beata quae credidisti».

Na sua vida terrena, realizou a perfeita figura do discípulo de Cristo, espelho de todas as virtudes, e encarnou na sua vida as bem-aventuranças evangélicas proclamadas por Cristo. Pelo que, n’Ela, toda a Igreja, na sua incomparável variedade de vida e de obras, acha a forma autêntica de perfeita imitação de Cristo.”. (Paulo VI 1964: 20).

No meio da afirmação de Maria como Mãe, o Papa realmente transmitiu um aspecto que não deve ser esquecido, ou seja, Maria como filha de Adão, que é igual a nós. Ela também é nossa Irmã pois é filha do mesmo patriarca. É com esta consciência que o Concílio Vaticano II afirma que Maria é o modelo do nosso primado. “Mas, ao passo que, na Santíssima Virgem, a Igreja alcançou já aquela perfeição sem mancha nem ruga que lhe é própria (cfr. Ef. 5,27), os fiéis ainda têm de trabalhar por vencer o pecado e crescer na santidade; e por isso levantam os olhos para Maria, que brilha como modelo de virtudes sobre toda a família dos eleitos.” (Lumen Gentium 65)

Na verdade, vemos que os primeiros Carmelitas tinham a mesma consciência dos Padres conciliares quando viam Maria não apenas como Mãe ou Senhora, mas mais como Irmã.  Os Carmelitas também desenvolveram este ideal em uma fraternidade especial, chamando-se Ordem dos Irmãos de Santa Maria. Chamando-se irmãos da Bem-Aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo, os Carmelitas quiseram imitar a vida pura de Maria.

Maria é Irmã dos Carmelitas. Como Irmã, Maria caminha junto com os Carmelitas seguindo a Cristo. Podemos refletir sobre isso a partir do caminho de Maria para seguir Cristo até o monte do Gólgota. Quando Maria fez a jornada de Jesus até o topo do Gólgota, não foi apenas a inclusão de seu filho por uma mãe. Mas, como a jornada de fé de Maria como membro da Igreja para seguir a Cristo. É por isso que quando ela testemunhou a terrível crucificação, permaneceu forte ao pé da Cruz. Maria foi capaz de permanecer forte na Cruz de Cristo, não apenas como a Mãe que deu à luz a Jesus, mas também como uma discípula fiel que O seguiu. Como Mãe, Maria não podia suportar ver seu filho morrer sadicamente. No entanto, como discípula, Maria mostrou sua fidelidade em seguir a Cristo. Foi nesse evento que os verdadeiros Carmelitas viram Maria como sua irmã que seguiu fielmente a Cristo até sua morte.

Quando Maria seguiu fielmente a Cristo até sua morte na Cruz, ela mostrou a sua fé como discípula. Quão grande foi a obediência da fé e abnegação demonstrada pela Virgem Maria aos pés da Cruz. Como ela se rendeu totalmente a Deus incondicionalmente, oferecendo toda a sua vontade e compreensão a Deus. Ela viveu o que Jesus disse: “Se alguém quiser seguir-me, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me” (Mt 16,24).

O’Donnell também fez uma afirmação dos Carmelitas como irmãos da Virgem Maria. Ele até mesmo comparou que a “castidade carmelita” e a “Virgindade de Maria” a faziam como irmãos em uma família. Ele disse: “Isso estabeleceu uma semelhança e uma profunda empatia entre eles e Maria, de modo que a chamaram de irmã e a si próprios Irmãos da Santíssima Virgem Maria. A noção de irmã não elimina, no entanto, a palavra ‘Mãe’….”.

O nome dos Irmãos da Bem-Aventurada Virgem Maria não deve ser esquecido, porque é isso que nos leva a ser mais fiéis ao caminho do Carmelo. O modo de vida dos Carmelitas deve ser, em última instância, o modo de vida de um bom irmão para Maria. Como mostramos amor a uma irmã e aprendemos com ela, é assim que os Carmelitas colocam sua vida com Maria.

Conclusão

Os Carmelitas devem ser gratos, porque, desde o início do Monte Carmelo, eles não viram Maria apenas como Protetora e Mãe, mas também como Irmã. A partir disso, os Carmelitas desde o início se posicionaram como um grupo especial diante de Maria. E também nos assegura que das muitas tribos e grupos do mundo, Maria parece ter escolhido os Carmelitas para serem adotados como seus irmãos.

Nossa Senhora é uma Mãe extraordinária, protetora e pia. Todas essas qualidades são dons inegáveis. No entanto, o nome da Ordem dos Irmãos da Virgem Maria do Monte Carmelo não é menos especial do que todas eles. Porque por esse nome aceitamos Maria como Irmã. Como membros da Ordem dos irmãos de Maria, devemos nos orgulhar de muitas comunidades e Igrejas que tomam o nome da padroeira de Maria, Irmã do Carmelo. Pode ser uma reafirmação da nossa peregrinação com Maria ao topo do Monte Carmelo, ou seja, com o próprio Jesus.

Feliz celebração da nossa grande festa de Nossa Senhora do Carmo.

Nossa Senhora do Carmo, rogai por nós!

Por: Fr. Kardiaman Caverius Simbolon, OCarm