Ordenação Presbiteral de Frei João Paulo: “Encontrei no Carmelo o lugar que sempre busquei”

Hoje (26/07/2019) é um dia muito especial para a Província Carmelitana de Santo Elias: é o dia da ordenação presbiteral de Frei João Paulo Pereira Moraes, O.Carm. Será às 19h, na Igreja Nossa Senhora do Carmo, na Rua Grão Mogol, 502, Belo Horizonte (MG).

Frei João Paulo, tem 32 anos e atualmente reside no Convento São Nuno, que abriga o Postulantado da Província, no bairro Jaqueline, em Belo Horizonte. Desde que ingressou no Carisma Carmelitano, atuou junto à juventude e a partir de 2018 tornou-se Promotor Vocacional da Província.

Em entrevista ao site Carmelitas, o religioso contou um pouco de sua trajetória vocacional. Para ele, a Contemplação é o aspecto da espiritualidade carmelitana que a diferencia dos demais carismas, e o vocacionado ao Carmelo precisa ser um jovem profundamente amante do Senhor, na vida de oração. “Se não há uma vida de oração íntima com Deus, não se pode ser carmelita”, pontuou.

Frei João Paulo e o grupo vocacional de 2019, durante o encontro realizado em Belo Horizonte

E como o jovem João Paulo descobriu sua vocação ao Carmelo? Ele nos contou que foi através da Providência Divina que conheceu o Carmelo e encontrou o verdadeiro sentido de sua vida.

>>>Seja você também um Carmelita

“Sou de família nordestina. Minha mãe é natural do Maranhão e meu pai do Piauí. Casaram-se e foram morar em Salvador, na Bahia. Tiveram quatro filhos. Originalmente de fé católica, ao chegarem em Salvador meus pais passaram a frequentar a Igreja Batista. Nós, os filhos, os seguíamos e ali eu permaneci até os 12 ou 13 anos, quando me tornei um jovem rebelde, que gostava muito de Rock. Deixei de ir à igreja evangélica”, contou.

Nesse período, lembra, ficou sem praticar nenhuma religião. Da Igreja Católica não queria nem ouvir falar: “Eu tinha uma ideia errada da Igreja Católica, porque minha opinião sobre a Igreja foi muito formada pela doutrina batista. Embora eu não mais estivesse na igreja evangélica, eu continuava com aquela ideia errada sobre o catolicismo”.

Mas Deus tinha um plano para a vida do Frei João Paulo e alguns anos depois ele teria uma forte experiência com a fé católica que transformaria sua vida para sempre.

“No Réveillon de 2004, eu estava em Salvador e tive uma experiência de solidão e vazio muito grande, em meio a mais de um milhão de pessoas no Farol da Barra. Eu percebi que minha vida não tinha sentido nenhum. Passei a pensar até que ponto eu queria viver, afinal, não tinha amigos verdadeiros, não respeitava meus pais… Eu tinha na época 16 anos. Fiquei assim algum tempo. Meses depois, quando começaram as aulas, conheci um jovem cuja vida me questionava muito e do qual me tornei amigo. Ele então me chamou para ir a um lugar, sem me dizer ao certo onde seria. Quando cheguei, descobri que era uma Igreja Católica, onde estava acontecendo um grupo de oração. Tive dificuldade de entrar, mas depois de muita insistência dele e de sua namorada, entrei na igreja. Lá, naquele grupo de oração, experimentei um preenchimento profundo do meu ser, fruto de um encontro pessoal com Deus. Senti que Deus estava me dando uma nova chance”, lembrou.

A partir desse dia, a vida do jovem João mudou completamente e com ele, a de seus pais e irmãos, que também retornaram ao catolicismo. Mas ainda faltava alguma coisa para se sentir pleno. Foi quando conheceu o carisma carmelitano, através de um amigo que o chamou para conhecer o Convento do Carmo.

“Eu estava trabalhando quando um jovem me falou de um frei carmelita e eu fui conhecer. Além do acolhimento dos frades, que me chamou muita atenção, houve outra coisa que me marcou muito: um papel que eles me deram, com uma propaganda vocacional. Nele estava escrito que ‘os carmelitas são como abelhas do senhor, que produzem a doçura do mel espiritual’. A partir dessa frase eu senti que Deus me chamava a algo mais profundo. E é essa frase que hoje norteia minha vocação. Eu encontrei no Carmelo a possibilidade de viver cada dia através da oração e descobrir na vida contemplativa a doçura do mel espiritual. Todos os dias a gente acorda e vai viver dessa fonte. E para mim, Nossa Senhora é como a abelha rainha dessa colmeia. Eu encontrei nessa colmeia o lugar que sempre busquei e que deu sentido à minha vida”, finalizou.

“Eu encontrei no Carmelo a possibilidade de viver cada dia através da oração e descobrir na vida contemplativa a doçura do mel espiritual.”

Parabéns, Frei João Paulo! Que Deus abençoe seu ministério e que Nossa Senhora do Carmo, Mãe do Carmelo, interceda por suas intenções.

Leia também:

>>> O caminho vocacional no Carmelo

>>> A espiritualidade carmelitana

>>> O tripé do Carisma Carmelitano

>>>Seja você também um Carmelita