A cultura, voz dos humilhados não do mercado