Flash Sale! to get a free eCookbook with our top 25 recipes.

Tito Brandsma: Testemunha do Perdão

Ao longo de sua vida, Pe. Titus Brandsma foi um homem de perdão e reconciliação, inclusive nas situações e contextos mais complicados. Quando foi Assessor de Imprensa da Imprensa Católica, teve que enfrentar situações complexas (instabilidade política, tensão, lutas trabalhistas, radicalização, etc.) e sempre demonstrou disposição para o diálogo, aberto aos ouvidos de todos. Com isso, ele ganhou o apelido de “o reconciliador”.

Da mesma forma, durante o ano em que ocupou o cargo de Reitor da Universidade Católica de Nijmegen, o Professor Brandsma procurou criar um clima de diálogo e sempre procurou encontrar oportunidades de encontro e compreensão. Não foi fácil, pois as universidades da Europa Central no início da década de 1930 se encontravam em um clima de extrema tensão entre radicalismos de vários tipos (comunistas, fascistas, nacionalistas etc.).

Nesse contexto, talvez possamos entender melhor sua afeição pelo esperanto, a língua artificial criada por Ludwig Zamenhof para evitar tanta divisão (inclusive violência) provocada pela convivência nem sempre fácil das línguas, e para afastar o colonialismo linguístico que, em não poucas ocasiões, se impõe. O esperanto era para ele – talvez de uma forma um tanto romântica – um instrumento de compreensão, uma forma de superar as barreiras linguísticas que, às vezes, se transformam em barreiras raciais, supremacistas e discriminatórias.

Ao mesmo tempo, deste ponto de vista, a atitude ecumênica do bem-aventurado Tito é compreendida em toda a sua profundidade. Nosso carmelita foi um verdadeiro pioneiro do ecumenismo no Carmelo. Formou, com grande entusiasmo, o chamado “Apostolado da Reunificação”, orientado para o melhor conhecimento e aproximação dos católicos com as igrejas orientais. Além disso, sempre mostrou uma atitude muito respeitosa e era próximo dos protestantes (principalmente na Holanda) e sempre manteve um diálogo franco e fraterno com os irmãos separados.

Durante os longos meses de prisão em várias prisões e campos de concentração, Pe. Tito conviveu com vários protestantes, alguns dos quais testemunhariam mais tarde durante o processo de beatificação, enfatizando sua generosidade, bondade e profunda confiança no Senhor.

Isso não significa dizer que ele era um “diplomata”, nem que lhe faltassem fortes princípios éticos e religiosos; pelo contrário. De fato, após a invasão holandesa, em algumas ocasiões, o professor Brandsma mostrou sua firme oposição a algumas das medidas do governo ocupacional, inclusive em matéria de educação (quando se recusou a cumprir a ordem obrigatória de expulsão de crianças judias) como em o tema da imprensa (quando disse aos diretores de jornais católicos que eles deveriam se recusar a publicar slogans nazistas). No entanto, apesar de sua firme rejeição da ideologia nacional-socialista, ele nunca demonstrou ódio aos guardas do Lager pelo que fizeram com ele. Além disso, nosso Carmelita convidou os religiosos que encontrou em Dachau para rezar por eles. No fundo, ele acreditava que ceder ao ódio seria a verdadeira vitória do mal.

Pe. Tito nunca odiou os alemães nem como povo, nem como nação. Quando o sargento Hardegen lhe pediu que escrevesse um pequeno ensaio sobre as razões pelas quais os holandeses, e especialmente os católicos, se opunham ao nacional-socialismo, o prisioneiro elaborou uma breve composição na qual discorreu sobre os motivos filosóficos, éticos e religiosos (uma tema sobre o qual havia falado com frequência em suas aulas universitárias). Apesar da oposição frontal, o texto concluiu com uma bela bênção: Deus abençoe a Holanda! Deus abençoe a Alemanha! Que Deus conceda a estes dois povos voltar ao caminho da paz e da liberdade, e reconhecer a Sua Glória para o bem destas duas nações tão próximas.

Em um mundo como o nosso, cheio de divisões e conflitos, pe. Tito aparece diante de nossos olhos como exemplo, como testemunha de que a reconciliação e o perdão são possíveis, apesar das dificuldades, e como um verdadeiro mártir desses valores cristãos mais autênticos.

Oração

Pedimos-te, Senhor, que pelo exemplo e intervenção do bem-aventurado Tito Brandsma, que suportou os tormentos do martírio com alegria e plena confiança na Vossa Divina Vontade, também nós, Carmelitas do Século XXI – frades, freiras contemplativas, religiosos do vida ativa, membros da Ordem Terceira, leigos de vários grupos – possam sempre testemunhar a radicalidade do amor cristão e os valores do Evangelho, e que nossas vidas sejam sementes de reconciliação e perdão.

 

Fonte: ocarm.org